terça-feira, 13 de julho de 2010

Como testar o Design Inteligente

A Response to Questions from a Biology Teacher: How Do We Test Intelligent Design?
A biology educator recently wrote me asking how we test intelligent design using the scientific method, how ID is falsifiable, and how ID explains patterns we observe in nature. These are very common questions that we receive all the time from teachers, students, and interested members of the public, and they're usually legitimate, sincere, and thoughtful questions. In this case, they certainly appeared to be such, and below I post a slightly modified version of my response to the teacher, withholding any information about the teacher to protect his/her identity:
Dear [Snip],
Greetings and thanks for your e-mail. ID is most definitely testable and falsifiable. It uses the scientific method and explains many patterns we observe in nature.
Let's start with how ID uses the scientific method. The scientific method is commonly described as a four-step process involving observations, hypothesis, experiments, and conclusion. ID begins with the observation that intelligent agents produce complex and specified information (CSI). Design theorists hypothesize that if a natural object was designed, it will contain high levels of CSI. Scientists then perform experimental tests upon natural objects to determine if they contain complex and specified information. One easily testable form of CSI is irreducible complexity, which can be discovered by experimentally reverse-engineering biological structures to see if they require all of their parts to function. When ID researchers find irreducible complexity in biology, they conclude that such structures were designed.
Regarding testability, ID makes the following testable predictions:
(1) Natural structures will be found that contain many parts arranged in intricate patterns that perform a specific function (e.g. complex and specified information).
(2) Forms containing large amounts of novel information will appear in the fossil record suddenly and without similar precursors.
(3) Convergence will occur routinely. That is, genes and other functional parts will be re-used in different and unrelated organisms.
(4) Much so-called “junk DNA” will turn out to perform valuable functions.
In this regard, ID is falsifiable. When we test these predictions, ID passes those tests. For example:
Regarding prediction 1, natural structures have been found that contain many parts arranged in intricate patterns that perform a specific function (e.g. complex and specified information), such as irreducibly complex machines in the cell. The bacterial flagellum is a prime example. The specified complexity of protein bonds and the simplest self-reproducing cell are other examples. For details, please see Intelligent design (ID) has scientific merit because it uses the scientific method to make its claims and infers design by testing its positive predictions or Asking the Right Questions about the Evolutionary Origin of New Biological Information or you might also enjoy reading the book Signature in the Cell by Cambridge University Ph.D. philosopher of science Stephen C. Meyer.
Regarding prediction 2, biological novelty appears in the fossil record suddenly and without similar precursors. The Cambrian explosion is the prime example. For details, please see Intelligent Design Has Scientific Merit in Paleontology.
Regarding prediction 3, similar parts have been found in organisms that even Darwinists see as separated by more closely related forms that do not contain the similar parts in question. Clear examples include genes controlling eye or limb growth in different organisms whose alleged common ancestors are not thought to have had such forms of eyes or limbs. For details, please see: A Primer on the Tree of Life.
Regarding prediction 4, genetic research continues to uncover functions for “junk-DNA,” include functionality for pseudogenes, introns, LINE, ALU elements, and many other types of "junk DNA." Examples of unknown DNA functions persist, but design encourages researchers to investigate functions, whereas Darwinism has caused some scientists to wrongly assume that non-coding DNA is junk. In fact, ID proponents have been predicting the collapse of the "junk DNA" paradigm for many years. For details, please see: Intelligent Design and the Death of the "Junk-DNA" Neo-Darwinian Paradigm.
These predictions are elaborated in "The Positive Case for Design." In this regard, below is a brief listing of some of the fields where ID provides a framework for predicting, understanding, and explaining the patterns we observe in nature from a wide variety of scientific fields:
• Biochemistry, where ID explains and predicts the presence of high levels of complex and specified information in proteins and DNA;
• Genetics, where ID predicts and explains function for so-called “junk” DNA while neo-Darwinism stifles such research;
• Systematics, where ID explains why there are similarities between living species, including examples of extreme genetic “convergence” that severely conflict with conventional evolutionary phylogenies;
• Cell biology, where ID explains why the cell resembles “designed structures rather than accidental by-products of neo-Darwinian evolution,” allowing scientists to better understand the workings of molecular machines;
• Systems biology, where ID encourages biologists to look at various biological systems as integrated components of larger systems that are designed to work together in a top-down, coordinated fashion, which is what biologists are finding is the case;
• Animal biology, where ID predicts function for allegedly “vestigial” organs, structures, or systems whereas evolution has made many faulty predictions here;
• Bioinformatics, where ID explains the presence of new layers of information and functional language embedded in the genetic codes, as well as other codes within biology;
• Information theory, where ID encourages scientists to understand where intelligent causes are superior to natural causes in producing certain types of information;
• Paleontology, where ID's prediction of irreducibly complexity in biological systems explains paleontological patterns such as the abrupt appearance of biological life forms, punctuated change, and stasis throughout the history of life;
• Physics and Cosmology, where ID encourages scientists to investigate and discover more instances of fine-tuning of the laws of physics and properties of our universe that uniquely allow for the existence of advanced forms of life;
Finally, you might benefit from an Educator's Briefing Packet on Intelligent Design. We don't recommend pushing ID into the curriculum in public schools, so if you're interested in more information on Discovery Institute's recommended science education policy, please visit Discovery Institute's Science Education Policy or feel free to write back seeking more information.
We help many educators to better understand the debate over evolution. Contact us for more information!

Fonte:

Discovery Institute

segunda-feira, 17 de maio de 2010

Vitória dos alunos de Texas!

As escolas texanas poderão agora questionar legalmente muitos aspectos do darwinismo, conforme noticiou o Discovery:

Os pontos mais importantes (em inglês):

1. The adoption of a new critical inquiry standard improving on the old "strengths and weaknesses" language: “in all fields of science, analyze, evaluate and critique scientific explanations by using empirical evidence, logical reasoning, and experimental and observational testing including examining all sides of scientific evidence of those scientific explanations so as to encourage critical thinking by the student."
2. The addition of "analyze and evaluate" to all of the high school biology evolution standards (no such language was included in the existing evolution standards). Students are now specifically required to evaluate the evidence regarding major evolutionary topics such as common ancestry, natural selection and mutations.
3. The addition of two new standards in the high school biology evolution section of the TEKS requiring students to analyze and evaluate scientific explanations concerning the fossil record and the complexity of the cell.
4. The adoption of a new high school biology standard dealing with origin of life research and chemical evolution that calls on students to "analyze and evaluate” the scientific evidence regarding formation of DNA molecules.

É isso!

As células e seus poderosos motores

Se uma máquina molecular por si mesma já é uma maravilha, que se dirá de um conjunto delas trabalhando coordenadamente?

Recentes artigos e notícias informam que é exatamente isto o que ocorre nas células vivas: os motores moleculares coordenam seus esforços, ou seja, estão ligados por coordenação, trabalhando para uma determinada função.

O
Science Daily, por exemplo, publicou uma noticia acerca do assunto, na qual se lia:“inclusive dentro da célula, a mão esquerda sabe o que o esta fazendo a direita”.

Os pesquisadores da Universidade de Virgínia afirmaram “que os motores moleculares funcionam de uma maneira assombrosamente coordenada”, quando umas “simples” algas chamadas Chlamydominas tem que se deslocar por meio de seus flagelos. Isto contradiz modelos anteriores que representavam os motores competindo entre si como num cabo-de-guerra.

"A nova pesquisa da Universidade de Virgínia proporciona sólidas provas de que os motores estão realmentefuncionando em coordenação, todos se movendo em uma direção, como se estivesse sob as mesmas ordens, ou em direção oposta – e novamente, como se estive sob um controle rigoroso.”

É como que imaginar um líder ou supervisor que comanda o processo. Compreender isto poderia servir de ajuda em tratamentos de transtornos neurodegenerativos. O artigo não fez menção da evolução. Os pesquisadores publicaram suas pesquisas PNAS.

Outro sistema celular do qual informava o
Science Daily tem relação com a coordenação de componentes independentes. A transposição de ADN composta de ARN mensageiro sai do núcleo em pequenos motores em 3D, “esticando-se” por um código linear para ser lido pelo ribossomo. E mais uma vez o artigo não diz nada acerca de evolução.

Aos darwinistas cabe agora a dura missão de tentar explicar sob a lógica do acaso (e de seus “aliados”) a ação coordenada de múltiplas peças necessárias para um determinada função, na qual a menor falha de qualquer um de seus componentes, pode levar à doença e até à morte.

Se conseguirem tal proeza sem ginásticas filosóficas e devaneios ateístas, restam-lhe à glória, ou, quiçá, o “Troféu Popper de Epistemologia.”
((rs))

É isso!

Referência:
Laib, Marin, Bloodgood and Guilford, «The reciprocal coordination and mechanics of molecular motors in living cells», Proceedings of the National Academy of Sciences EE. UU., publicado en línea el 12 de febrero de 2009, doi: 10.1073/pnas.0809849106.

domingo, 16 de maio de 2010

A imensa complexidade dos vírus

Motor molecular descoberto em vírus
Vide links:

Sabemos que os seres vivos têm que superar os mesmos tipos de problemas físicos encontrados pelos engenheiros. Todavia, os vírus, por definição, não estão vivos: precisam de um hospedeiro para sua replicação. A par disto, pergunto:

1 - Como é possível ter evoluído gradualmente uma bio-nanotecnologia de tão alta precisão como são os vírus?

2 - Como teria se desenvolvido, do ponto de vista MACROevolutivo, motores tão potentes, tão compactos e tão supereficientes como estes?

Vai aqui algo sobre esta interessantíssima desoberta. Não vou postar em inglês, mas em espanhol, para facilitar à leitura (estou um tanto “pachorrento” para tentar traduzir o texto):
“Las cubiertas proteínicas protectoras (cápsides) de los virus son extraordinarios ejemplos de ingeniería biológica de materiales. Estos contenedores sumamente regulares, automontados con dimensiones nanométricas tienen un diseño minimalista, pero combinan unas complejas funciones pasivas y activas. Además de la protección química, están involucrados en el empaquetado selectivo y en la inyección del material genético vírico".
[…]
“…extraordinariamente dinámica pero lo suficientemente elástica y resistente para resistir fácilmente la presión conocida de empaquetamiento del ADN (~ 60 atmósferas). Así, estas cápsides no sólo proporcionan un escudo químico, sino también una significativa protección mecánica para sus contenidos genéticos. Las cubiertas víricas son un ejemplo extraordinario de una solución de la naturaleza a un difícil problema de ingeniería de materiales: se automontan para formar fuertes cubiertas de una geometría definida de una forma precisa usando una cantidad mínima de diferentes proteínas."

É isso!

quinta-feira, 22 de outubro de 2009

TEDEÍSMO: PERGUNTAS E RESPOSTAS

O QUE SIGNIFICA “TEDEÍSMO”?
O termo “TEDEÍSMO” é um neologismo criado a partir da sigla TDI – Teoria do Desenho Inteligente. Linguisticamente segue um critério há muito presente em nossa língua, como em FNM – “FENEMÊ” (nome de um antigo caminhão), em que se faz uso da pronúncia das letras que compõem a sigla TDI, ou seja: TE/DE/I = TEDEÍSMO. Tal vocábulo, portanto, não tem nenhuma implicação teológica ou religiosa. A idéia é simplesmente facilitar o diálogo entre darwinistas (ou evolucionistas), criacionistas com aqueles que se encontram “na terceira margem do rio”, metaforicamente os TEDEÍSTAS.

Já em relação à substituição de “design” por “desenho” trata-se de uma adequação lingüística ao vernáculo português, da mesma forma como fizeram os espanhóis: Teoría del Diseño Inteligente.

O QUE É O TEDEÍSMO?
O Tedeísmo argumenta que as máquinas biológicas (por exemplo: a visão, a coagulação do sangue, o transporte celular, os cílios, o flagelo, o sistema imunológico etc.), por sua complexidade irredutível, tem que ter sido planejadas – seja por Deus ou por alguma outra inteligência superior.

O TEDEÍSMO ESTÁ FUNDAMENTADO NOS LIVROS CONSIDERADOS SAGRADOS?
Não!
As raízes intelectuais da Teoria do Desenho Inteligente são diversas. Platão e Aristóteles, por exemplo, articularam ao seu tempo versões primitivas da teoria do desenho inteligente, da mesma forma como fizeram os grandes nomes da ciência moderna. O conceito de planejamento inteligente apenas começou a se afastar do seio da comunidade científica no princípio do século XX, após o neodarwinismo afirmar ser capaz de explicar o surgimento da complexidade biológica por meio de um processo NÃO-inteligente denominado Seleção Natural, que atuaria sobre mutações aleatórias.

Todavia, durante décadas recentes novas pesquisas e descobertas no campo da física, cosmologia, bioquímica, genética e paleontologia têm levado um número crescente de cientistas e teóricos da ciência a duvidarem da capacidade explicativa do neodarwinismo em relação à complexidade biológica, enfatizando o planejamento inteligente como a explicação mais plausível do ponto de vista científico.

QUEM TERIA SIDO O PLANEJADOR, SEGUNDO O TEDEÍSMO?
O Tedeísmo em nenhum instante discorre acerca da natureza do Planejador, nem faz qualquer tipo de especulação concernente ao seu nome, mas apenas se é possível ou não detectar o plano na natureza. E, como diz Michael Behe:

“Para se deduzir que houve um plano não é preciso ter um candidato para o papel de planejador. Podemos chegar à conclusão de que um sistema foi planejado pelo simples exame do mesmo, e podemos ter muito mais certeza sobre o planejamento em si do que sobre o planejador. Em vários dos exemplos dados acima, a identidade do planejador não era óbvia. Não temos ideia de quem arrumou a engenhoca no pátio de sucata, ou a armadilha de gavinhas, ou por quê. Não obstante, sabemos que todas essas coisas foram planejadas por causa da organização de componentes independentes para atingir certo fim.
A inferência de que houve um plano pode ser feita com bastante segurança, mesmo que o planejador seja figura muito remota.”

[...]

É possível concluir que alguma coisa foi planejada sem que saibamos absolutamente a identidade de quem a planejou. No que diz respeito ao procedimento, o plano primeiro precisa ser compreendido para que se possa f azer alguma outra pergunta sobre o planejador. A dedução de que algo foi planejado pode sermantidacom toda firmeza possível neste mundo, mesmo que não se saiba nada sobre o planejador” (“A Caixa Preta de Darwin”. Zahar Editor, 1997, p. 199).

No Tedeísmo a posição religiosa de seus proponentes NÃO tem qualquer relevância para a manutenção do seu status epistêmico. Obviamente, como é de praxe com todas as teorias que pretendam explicar a origem do Universo e da vida, o Tedeísmo tem sim implicações filosóficas e teológicas, mas isso também se observa em outras teorias, como a Teoria do Big Bang e a própria Teoria da Evolução. Assim, o fato de alguém acreditar, PELA FÉ, que o Planejador tenha sido o Deus da Bíblia ou o Alá do Alcorão, isso apenas refletirá sua crença pessoal, o que não diz absolutamente nada dos postulados do Tedeísmo. No darwinismo, por exemplo, existe determinada vertente que professa uma posição teísta, como é o caso de Francis Collins e Newton Freire-Maia, ambos cristãos. Embora o Tedeísmo seja agnóstico quanto à natureza do Planejador, isso não significa que seus proponentes não possam ter suas próprias crenças (ou descrenças).

O TEDEÍSMO É COMPATÍVEL COM A EVOLUÇÃO?
Isto vai depender do que se quer dizer com o termo “evolução”. Com o sentido de “mudanças através do tempo”, não há um conflito interno entre a Teoria da Evolução e a Teoria do Desenho Inteligente. O que o Tedeísmo contesta é que mecanismos cegos, como a Seleção Natural agindo sobre as mutações, sejam capazes de dá conta da imensa complexidade do Universo e dos seres vivos.

O TEDEÍSMO É O MESMO QUE CRIACIONISMO?
Não!
O Tedeísmo tem por finalidade detectar – empiricamente – se o “aparente desenho” da natureza, o qual é reconhecido virtualmente por todos os biólogos, seja de fato um desenho verdadeiro (produto de uma causa inteligente) ou se é apenas o resultado de um processo não direcionado como a Seleção Natural. Já o criacionismo fundamenta suas teses numa interpretação literal do relato bíblico do Gênesis. O Tedeísmo é estritamente agnóstico quanto a identidade do Planejador. Em outras palavras: não está preocupado em identificar a natureza do Planejador, mas apenas em detectar empiricamente o PLANO na natureza. Portanto, o Tedeísmo não tem por objetivo defender qualquer relato considerado sagrado.

Honestos críticos do Desenho Inteligente reconhecem que há sim distinção entre Tedeísmo e Criacionismo. O historiador da ciência Ronald Numbers, da Universidade de Wisconsin, é um crítico da Teoria do Desenho Inteligente, no entanto, de acordo com a Associated Press, ele “concorda que o rótulo criacionista não deve ser aplicado ao Tedeísmo".

Então por que os darwinistas insistem em afirmar que ambos são da mesma estirpe?

Segundo Dr. Numbers, isto ocorre porque eles (os darwinistas) acreditam que esta seja “a maneira mais fácil de desprestigiar a Teoria do Desenho Inteligente”. Em outras palavras: trata-se de uma estratégia retórica dos darwinistas a fim de tentar suprimir o mérito científico e filosófico do Tedeísmo.

HÁ PESQUISADORES ERUDITOS NA COMUNIDADE CIENTÍFICA QUE APOIA O TEDEÍSMO?
Sim (veja, aqui, a relação completa dos dissidentes do darwinismo)
A Teoria do Desenho Inteligente é composta por doutores da ciência, pesquisadores, teóricos e um bom número de universidades, escolas, institutos de pesquisas em todo o mundo. Entre tais pessoas estão incluídas:
Michael Behe (bioquímico da Universidade de Lehigh);
Scott Minnich (microbiólogo da Universidade de Idazo);
Paul Chien (biólogo da Universidade de San Francisco);
Dean Keyton (biólogo emérito na Universidade Pública de São Francisco);
William Dembski (matemático da Universidade de Baylos); e,
Henry Schaefer (químico quântico da Universidade de Geórgia).

PESQUISAS SOBRE O TEDEÍSMO PUBLICADAS EM PERIÓDICOS E MONOGRAFIAS SÃO REVISADAS POR OUTROS CIENTISTAS?
Não obstante a acirrada hostilidade impetrada pelos defensores do neodarwinismo contra os cientistas que apóiam o desenho inteligente, ainda assim muita coisa tem sido lançada em publicações revisadas por outros cientistas. Por exemplo: “A Inferência de Desenho!” (de William Dembski) e “A Caixa Preta de Darwin” (de Michael Behe). No âmbito dos periódicos, Michael Behe tem defendido o conceito de “complexidade irredutível” no periódico “Filosofia da Ciência”, publicado pela Universidade de Chicago. Outro periódico revisado, no qual se enfatiza a teoria do desenho, é “Progresso em Complexidade, Informação e Desenho”, composto por um conselho de 50 especialistas de diferentes áreas científicas relevantes, sendo que a maioria tem afiliação universitária. E, por fim, os trabalhos dos teóricos do Tedeísmo estão começando a ser citados por companheiros em periódicos revisados como a "Revisão Anual sobre Genética".

POR QUE A ASSOCIAÇÃO AMERICANA PARA O AVANÇO DA CIÊNCIA (AAAS) PUBLICOU UMA RESULUÇÃO CONTRA O TEDEÍSMO?
Em 2002, o comitê da AAAS publicou uma resolução acusando a Teoria do Desenho Inteligente de não ser científica. Este processo deu-se com todas as armas, menos com aquelas relacionadas à ciência. Prova disso é que, após tal resolução ser publicada, perguntou-se aos membros do Comitê da AAAS quais livros e artigos escritos por cientistas do Desenho Inteligente eles teriam lido antes de tomarem tal resolução, e a resposta foi simplesmente que o assunto havia sido analisado por todo o grupo. Outros membros apenas disseram que havia lido cuidadosamente fontes identificadas na Internet. Em outras palavras, os membros do comitê da AAAS aparentemente votaram apenas para declarar a Teoria do Desenho Inteligente como não-científica sem pesquisar eles mesmos os livros acadêmicos e artigos apresentados pelos cientistas que fazem parte dessa teoria. Não custa lembrar que um bom número dos cientistas que apóiam o Tedeísmo é membro da AAAS, de modo que o Comitê da AAAS claramente não falou por todos os membros de sua organização.

É isso!

sábado, 8 de agosto de 2009

Design Inteligente não é Criacionismo

É muito comum, principalmente na mídia, rotular a Teoria do Desenho Inteligente (Tedeísmo) de Criacionismo, Neocriacionismo, Criacionismo disfarçado etc. Todavia, quem se presta a analisar ambas as propostas concluirá sem muito esforço que se trata de visões um tanto distintas. Na verdade, como o Desenho Inteligente faz uso de argumentos científicos (por exemplo, a questão da complexidade dos sistemas moleculares) é propositalmente rotulado de Criacionismo como uma forma de associá-lo à religião, buscando assim descartá-lo da discussão científica.

Sobre este assunto, Enézio E. de Almeida Filho (coordenador do NBDI - Núcleo Brasileiro de Design Inteligente) cita algumas razões porque o Design Inteligente não é mesma cousa que criacionismo. Vejamos:

"Criacionismo de Design Inteligente" não é rótulo neutro: é termo pejorativo, polêmico, inventado por alguns darwinistas para atacar o Design Inteligente por razões retóricas. Cientistas que apóiam o Design Inteligente não se descrevem como 'criacionistas de design inteligente' nem consideram a Teoria do Design Inteligente como criacionismo. O termo 'criacionismo de design inteligente' é inexato, inapropriado e tendencioso, especialmente de cientistas e jornalistas que estão tentando ser imparciais. "Teoria do Design Inteligente" é a descrição neutra da teoria.
A Teoria do Design Inteligente é baseada na ciência e não em textos sagrados.

O criacionismo defende a leitura literal da criação no livro de Gênesis pelo Deus da Bíblia há 6.000 anos atrás. A Teoria do Design Inteligente é agnóstica em relação à origem do design e não defende nenhum texto sagrado. A Teoria do Design Inteligente é um esforço de detectar empiricamente se o 'design aparente' observado pelos biólogos na Natureza é design genuíno (produto de uma inteligência organizadora) ou produto do acaso, necessidade e leis mecânicas naturais.

Detectar design na natureza vem sendo adotado por vários cientistas em renomadas faculdades e universidades americanas: Michael Behe, bioquímico da Lehigh University, Scott Minnich, microbiologista da University of Idaho e o matemático William Dembski na Baylor University entre muitos outros.

Os criacionistas sabem: a Teoria do Design Inteligente não é criacionismo. Dois grupos criacionistas importantes, Answers in Genesis Ministries - AIG e o Institute for Creation Research - ICR criticaram o Movimento de Design Inteligente (MDI) porque a Teoria do Design Inteligente não defende o relato bíblico de criação.

Como o darwinismo, a Teoria do Design Inteligente pode ter implicações religiosas, mas são distintas de seu programa científico. A Teoria do Design Inteligente, como o Big Bang, pode ter implicações em áreas fora da ciência (teologia, ética e filosofia), mas distintas do Design Inteligente como programa de pesquisa científica. Nesta questão, a Teoria do Design Inteligente não difere da Teoria da Evolução.

Darwinistas importantes tiram implicações teológicas e culturais da teoria da evolução. Richard Dawkins, da Oxford University, afirmou que 'só depois de Darwin é possível ser um ateu intelectualmente satisfeito'. E. O. Wilson, de Harvard, emprega a biologia darwinista para desconstruir a religião e as ciências humanas”.

É isso!

Desenho Inteligente: O Artista e sua Arte

Em seu livro “O Polegar do Panda” (“The Panda’s Thumb”), o darwinista Stephen Jay Gould, argumentando contra um Design na natureza, afirma que: “Se Deus tivesse projetado uma bela máquina para refletir sua sabedoria e seu poder, certamente não teria usado um conjunto de peças moldadas para outros propósitos” (p. 10).

Segundo ele, “o desenho ideal constitui um mau argumento a favor da evolução, porque imita a ação postulada de um criador onipotente”. E completa: “Arranjos bizarros e soluções engraçadas são a melhor a melhor prova de evolução – sendas que um Deus sensível nunca trilharia, mas que um processo natural, sob o constrangimento da história, obrigatoriamente seguirá” (p. 10).

As palavras “o desenho ideal constitui um mau argumento a favor da evolução, porque imita a ação postulada de um criador onipotente” soa como convite para que se abandone o conceito de design na natureza, algo que sempre fora destacado na literatura sobre biologia. O próprio Richard Dawkins, um dos mais dogmáticos darwinistas, afirmou, em “O Relojoeiro Cego”, que “a biologia é o estudo das coisas complexas que dão a impressão de ter um design intencional" (São Paulo, Companhia das Letras, 2001, p. 18).

Não é à toa que haja tanta fúria e calúnia contra os proponentes do movimento do Design Inteligente!

Bom. A crítica de Gould à idéia de um design na natureza (alías, algo que o próprio Darwin cultivou) baseia-se no errôneo conceito de “imperfeição”. Obviamente pela lógica de Gould, um Designer (Deus, Sobrenatural, Inteligência Superior) não poderia ter construído, por exemplo, o polegar do panda!

“O polegar sesamóideo não conquista nenhum prêmio num desafio entre engenheiros”, diz Gould. E completa: “Mas faz o seu trabalho e aguça mais a nossa imaginação por ser construído em bases tão improváveis” (p. 15).

”Faz se trabalho e aguaça mais a nossa imaginação...” Vamos lá...

Gould, um dos poucos darwinistas pelos quais nutro forte admiração (pessoa sincera e honesta), contradiz-se. Ao mesmo tempo em que se coloca contra o conceito de que o todo pode ser compreendido separadamente em unidades “básicas”, ele mesmo acaba entrando por este caminho. No que diz respeito à estética, diz que o criador do panda não pôde ter pensado na obra completa. Ou seja, cai no mesmo erro freqüentemente repetido pelos darwinistas os quais ele tanto criticava.

Bom, mas o que quero enfatizar neste artigo, é o argumento da "imperfeição" usado pelo opositores da TDI para desmerecê-la cientificamente. Por exemplo:

Por que o Designer Inteligente fez algumas cobras com um dedinho minúsculo rente ao corpo, que não serve para nada?

Por que o Arquiteto fez nascerem apêndices parecidos com pernas em embriões de golfinhos para depois eles desaparecerem no desenvolvimento do bicho?

Em seu livro “A Caixa Preta de Darwin”, o cientista Michael Behe trata desta questão com autoridade de quem sabe o que fala. Diz ele:

“Nas discussões sobre planejamento inteligente, nenhuma objeção é mais repetida do que o argumento baseado na imperfeição, que podemos resumir em curtas palavras: se existe um agente inteligente, que planejou a vida na Terra, então ele seria capaz de criar vida que não tivesse defeito; aliás, ele teria feito isso. Esse argumento parece ter grande apelo popular” (p. 223).

Ele compara este tipo de objeção ao reverso ponto de vista de Diógenes. Ou seja: “se algo não se ajusta à nossa ideia de como devem ser as coisas, então isso é uma prova contra o planejamento” (p. 224).

E continua Behe:

“Outra maneira de reagir à teoria do planejamento inteligente consiste em examinar sistemas biológicos complexos, à procura de erros que nenhum planejador inteligente teria cometido. Uma vez que precisa partir do início, o planejamento inteligente deve gerar organismos projetados de modo tão perfeito quanto possível para as funções que deve desempenhar” (p. 224).

Behe então faz menção do olho (o suposto paradigma de planejamento inteligente) como resposta:

“Já celebramos as virtudes desse órgão extraordinário, mas não consideramos aspectos específicos de seu planejamento, tal como a fiação neural de suas unidades sensíveis à luz. Essas células fotorreceptoras, localizadas na retina, transmitem impulsos a uma série de células interco-nectadas que, no fim, passam a informação às células do nervo óptico, que a leva ao cérebro.
Um planejador inteligente, trabalhando com os componentes dessa fiação, escolheria a orientação que produziria o mais alto grau de qualidade visual. Ninguém, por exemplo, sugeriria que as conexões neurais deveriam ser colocadas em frente às células fotorreceptoras — impedindo, dessa maneira, que a luz a elas chegasse — e não atrás da retina.

Por mais incrível que possa parecer, a retina humana é construída exatamente dessa maneira.
Um defeito mais sério ocorre porque a fiação neural deve penetrar diretamente através da parede da retina para conduzir ao cérebro os impul¬sos nervosos produzidos pelas células fotorreceptoras. O resultado disso é um ponto cego na retina — uma região em que milhares de células condutoras de impulsos empurram para o lado as células sensitivas...

Behe então aponta os principais problemas deste tipo de argumento:

1. EXIGÊNCIA DE PERFEIÇÃO ABSOLUTA
“O problema mais sério é que o argumento exige perfeição absoluta. É claro que planejadores que têm capacidade de produzir melhores planos não fazem isso sempre. Na indústria de transformação, por exemplo, a "obsolescência inerente" não é rara — um produto é produzido intencio¬nalmente de maneira a não durar tanto tempo quanto poderia, por razões que suplantam o objetivo simples de obter excelência em engenharia. Outro exemplo é de natureza pessoal: não dou a meus filhos os melhores e mais sofisticados brinquedos porque não quero mimá-los e porque desejo que eles aprendam o valor do dinheiro.”

O argumento baseado na imperfeição ignora a possibilidade de que o planejador possa ter numerosos motivos, e, muitas vezes, a excelência em engenharia ocupa um papel secundário. A maioria das pessoas ao longo da história tem pensado que a vida é planejada, a despeito de doença, morte e outras imperfeições óbvias” (p. 225).

2. CONHECIMNTO DA PSÍQUICA DO PLANEJADOR
“Outro problema com o argumento da imperfeição é que ele depende de uma análise psíquica do planejador desconhecido. Não obstante, as razões por que um planejador faria ou deixaria de fazer alguma coisa são quase impossíveis de conhecer, a menos que ele nos diga especificamente quais foram. Basta visitar uma galeria de arte moderna para ver objetos planejados cujas finalidades são inteiramente obscuras (para mim, pelo menos).

Aspectos que nos parecem estranhos em um desenho podem ter sido nele colocados, por alguma razão, pelo planejador — por razões artísticas, para obter variedade, para se exibir, por algum objetivo prático ainda não percebido, ou por alguma razão inimaginável — ou talvez não. Podem parecer estranhos, mas talvez tenham sido, mesmo assim, projetados por uma inteligência. O importante do ponto de vista do interesse científico não é o estado mental do planejador, mas se podemos ou não detectar o plano.

Ao discutir por que alienígenas em outros planetas poderiam construir estruturas artificiais que poderíamos observar da Terra, o físico Freeman Dyson escreveu:

Não preciso discutir a questão da motivação, isto é, quem desejaria fazer essas coisas e por quê. Por que a espécie humana explode bombas de hidrogénio ou envia foguetes à Lua? É difícil saber exatamente por quê.”

3. AVALIAÇÃO PSICOLÓGICA DO PLANEJADOR
“O problema seguinte é que os proponentes do argumento da imperfeição usam com frequência sua avaliação psicológica do planejador como prova categórica de evolução não-dirigida. Esse raciocínio poderia ser transcrito na forma de silogismo:

1. Um planejador teria construído o olho dos vertebrados sem um ponto cego.
2. O olho dos vertebrados tem um ponto cego.
3. Por conseguinte, a evolução darwiniana produziu o olho.

Para raciocínios como esse é que foi inventada a expressão non sequitur. A literatura científica não contém evidências de que a seleção natural, trabalhando sobre mutações, possa produzir um olho com um ponto cego, outro sem esse ponto, pálpebra, lente, retina, rodopsina ou retinal” (p. 226).

4. COISAS “SEM UTILIDADE”: ÓRGÃOS VESTIGIAIS
“Há uma subcategoria de argumento, do tipo nenhum-planejador-teria-fei-to-isso-dessa-maneira, que requer uma resposta diferente. Em vez de dizer que uma estrutura útil contém defeitos que não deviam ter sido tolerados, o autor menciona algum aspecto que aparentemente não tem uso algum.

Não raro, o aspecto lembra alguma coisa que é efetivamcnte usada em outras espécies e, portanto, parece ser algo que foi de fato usado em algum tempo, mas que, em seguida, perdeu sua função.

Órgãos vestigiais desempenham um papel importante nesse argumento. O biólogo evolucionista Douglas Futuyma, por exemplo, cita os "olhos rudimentares de animais de cavernas, as pernas minúsculas, inúteis, de muito lagartos com características de serpentes, e vestígios de pélvis em pítons", como prova de que ocorreu evolução.

“O argumento não convence por três razões. Em primeiro lugar, o fato de não termos ainda descoberto um uso para uma determinada estrutura não implica que esse uso não exista. As amígdalas foram outrora consideradas órgãos inúteis, embora uma função importante na imunidade tenha sido descoberta para elas. A pélvis da píton poderia estar fazendo alguma coisa útil que ignoramos.

Esse argumento aplica-se também em escala molecular: os pseudogenes da hemoglobina e outros pseudogenes, embora não sejam usados para fabricar proteínas, talvez sejam utilizados para outras coisas que ainda não sabemos quais são. Alguns usos potenciais que me acorrem à mente enquanto me encontro aqui à escrivaninha incluem ligar-se a genesb ativos de hemoglobina durante a replicação do ADN, a fim de estabilizá-los; orientar recombinações de eventos ligados ao ADN; e alinhar fatores de proteína relativos a genes ativos. Pouco importa se estas são funções concretas dos pseudogenes da hemoglobina” (p. 227, 228).

“A segunda razão por que... mesmo que os pseudogenes não tivessem função, a evolução nunca "explicou" como eles surgiram. Até para que uma pseudocópia de um gene seja fabricada, dezenas de proteínas sofisticadas são necessárias: separar dois fios de ADN, colocar a maquinaria de cópia no lugar certo, costurar os nucleotídeos em uma corrente, voltar a inserir a pseudocópia no ADN, e muito mais.

Pessoas como Douglas Futuyma, que cita órgãos vestigiais como prova da evolução, enfrentam o mesmo problema. Para começar, Futuyma jamais explica como se desenvolveram uma pélvis e um olho concretos de modo a dar origem mais tarde a um órgão vestigial. E tanto o órgão funcional como o vestigial precisam de explicação”.

“Argumentos baseados em falhas percebidas ou em genes e órgãos vestigiais correm o mesmo perigo do argumento de Diógenes, de que a progressão das estações demonstra planejamento inteligente. Cientificamente, é inválido fazer suposições sobre as maneiras como as coisas deveriam ser” (p. 228).

A terceira razão.. tem origem na confusão entre duas ideias separadas — a teoria de que a vida foi inteligentemente planejada e a teoria de que a Terra é jovem.

A conclusão de que alguns aspectos da vida foram planejados pode ser tomada na ausência de prova sobre quando ocorreu o planejamento. Uma criança que olha para as faces esculpidas no monte Hushmorc percebe de imediato que elas foram planejadas, mas talvez não lenha ideia sobre sua história. Tanto quanto sabe, elas poderiam ter sido planejadas um dia antes de sua chegada ali, ou datados nos primórdios dos tempos. Um museu de arte pode exibir uma estátua de um gato de bronze iilcgadamente esculpida no Egito há milhares de anos — até ela ser examinada por métodos de tecnologia avançada e se demonstrar que se trata de uma falsificação moderna. Em ambos os casos, o gato de bronze certamente foram planejado por um agente inteligente” (p. 229 - BEHE, Michael J. “A Caixa Preta de Darwin”, Rio de Janeiro, Zahar, 1997).

Pessoalmente, quando questionado sobre este tipo de assunto, gosto de usar os exemplos dos artistas e de suas obras. Por exemplo, a belíssima obra "O Grito", de Edvard Munch, foi considerada pelo regime nazista de Hitler como exemplo de arte degenerada e imperfeita. E por que será que os nazistas a viam desta forma?
Simplesmente porque ela não se enquadrava no modelo de “arte perfeita” dos arianos! Ou seja, é o reverso do velho argumento de Diógenes: “se algo não se ajusta à nossa ideia de como devem ser as coisas, então isso é uma prova contra o planejamento”.

A par disto, pergunto ainda:

Por que certos romances (ou filmes) não têm o fim que tanto almejamos que tivessem?

Por que Machado de Assis "matou" Capitu? Eu preferiria que ela vivesse e que tivesse morrido o falso Bentinho.

Por que Shakespeare “levou ao túmulo” Romeu e Julieta?

Por que Leonardo da Vinci pintou Monalisa com aquele enigmático sorriso?

Por que a estátua da liberdade tem 46,5 metros de altura, e não 47,6?


É isso!